Fotos de Eventos RealizadosRefletindo Acessar WebMail



Vida Indique para um amigo

Não podemos dar aos outros o que não temos. Se temos vida, podemos dar vida a outrem. Se o que temos são somente pensamentos, podemos somente dar pensamentos às pessoas. Se não tivermos a experiência da crucificação em nossa vida, se não tivermos a experiência de morrer juntamente com o Senhor vencendo o pecado e o ego, se não tivermos a experiência de tomar a cruz e seguir ao Senhor para sofrer por Ele, e se não apenas conhecermos a palavra da cruz a partir dos escritos e da boca de outros e, no entanto, não tivermos nós mesmos a experiência, certamente não poderemos dar vida às pessoas. Poderemos somente dar teorias da vida da cruz às pessoas. Somente quando somos transformados pela cruz e quando recebemos a vida e o espírito da cruz podemos dispensar a cruz aos outros. A cruz deveria, diariamente, efetuar uma obra mais profunda em nossa vida de modo a podermos ter experiências sólidas do sofrimento e da vitória da cruz. Aos pregarmos, nossa vida fluirá espontaneamente por intermédio de nossas palavras, e o Espírito derramará Sua vida através da nossa vida para saciar os sedentos – os ouvintes. As idéias podem alcançar somente o cérebro do homem; elas resultam apenas em mais pensamentos para seu cérebro. Somente a vida pode alcançar o espírito do homem, e o resultado é que o espírito do homem recebe tanto uma vida regenerada como uma vida mais abundante.

O pensamento, palavras, eloqüência e teorias do homem podem somente incitar e alcançar a alma do homem, pois eles podem somente estimular a motivação, a emoção, a mente e a vontade do homem. Somente a vida pode alcançar o espírito do homem. Todo o trabalho do Espírito Santo está em nosso espírito (Rm 8:16; Ef 3:16). Somente quando estamos na experiência do espírito, fluindo a vida de nosso espírito, o Espírito Santo pode derramar Sua vida para o espírito de outros por nosso intermédio. Assim sendo, é a coisa mais inútil salvar os pecadores e edificar os santos pela própria mente, eloqüência e teoria do homem. Embora o que alguém fale possa ser muito persuasivo exteriormente, devemos saber que o Espírito Santo não está cooperando com ele. O Espírito Santo não está por detrás de suas palavras e não está trabalhando com ele por intermédio da Sua autoridade e poder. Os ouvintes apenas ouvem suas palavras; não há mudança alguma na vida deles. Apesar de algumas vezes fazerem votos e resoluções, estes são apenas estímulos em sua alma. Não há vida atrás de suas palavras. Como resultado, não existe o poder para que ganhem o que eles ainda não obtiveram. Onde há vida, há poder. Nas questões espirituais, não haverá poder se não houver vida. Portanto, se você não permite que o Espírito Santo derrame Sua vida por intermédio da sua vida para o espírito de outros, estes não terão a vida do Espírito Santo e não terão o poder para praticar aquilo que você prega. O que buscamos não é eloqüência, mas o poder do Espírito Santo. Que o Espírito de Deus possa fazer-nos compreender que pensamentos podem somente alcançar a alma do homem, e que apenas a vida pode fluir para o espírito do homem.

A vida a que nos referimos aqui é a experiência da palavra de Deus em nossa vida e a experiência da mensagem que pregamos. A vida da cruz é a vida do Senhor Jesus. Deveríamos primeiro testar nossa mensagem por meio da nossa experiência. A doutrina que entendemos é somente uma doutrina. Deveríamos deixar primeiro a doutrina trabalhar em nós de modo que a doutrina que entendemos se torne parte da nossa vida e parte dos elementos vitais de nosso viver diário, e não mais se torne somente doutrina, mas a vida de nossa vida. É como o alimento que comemos tornando-se a carne da nossa carne e osso dos nossos ossos. Assim, tornamo-nos uma doutrina viva. Dessa maneira, a palavra que pregamos não é mais apenas uma teoria que conhecemos, mas nossa própria vida real. Isso é o que a Bíblia quer dizer com “praticantes da palavra” (Tg 1:22). Frequentemente entendemos mal a palavra “praticantes”. Achamos que “praticantes” são os que dão o melhor de si para seguir a palavra que ouvem e entendem. Entretanto, isso não é o “praticar” na Bíblia. É verdade que devemos tomar a decisão de praticar o que ouvimos, mas o “praticar” na Bíblia não é o “praticar” com a própria força da pessoa. Antes, é permitir que o Espírito Santo viva a partir da vida da pessoa, a palavra que ela conhece. Isso é um tipo de viver, não um tipo de obra. Se existir viver, espontaneamente haverá a obra. Fazer algumas obras esporádicas não é o “praticar” descrito na Bíblia. Deveríamos cooperar com o Espírito Santo em nossa vida por meio da nossa vontade a fim de podermos, experiencialmente, viver o que conhecemos. Dessa maneira estaremos aptos a dispensar vida a outros.

Saberemos que exemplo seguir se olharmos para o Senhor Jesus Cristo. Ele disse: “Assim importa que o Filho do homem seja levantado, para que todo o que nele crê tenha a vida eterna” (Jo 3:14-15) e “E eu, quando for levantado da terra, atrairei a todos a mim mesmo. Isto dizia, significando de que gênero de morte estava para morrer” (Jo 12:32-33). O Senhor Jesus teve de ser crucificado antes que pudesse atrair todos a Si mesmo e dispensar a vida espiritual a outros. Ele mesmo teve de morrer primeiro, experimentar a cruz primeiro e ter o operar da cruz interiormente e exteriormente, fazendo Dele um homem crucificado em realidade primeiro, antes que pudesse ter o poder de atrair todos para Si. O discípulo não está acima do Seu mestre. Se o nosso Senhor teve de ser levantado antes de poder atrair a todos a Si mesmo, não deveríamos nós, que levantamos o Senhor Jesus crucificado, sermos nós mesmos levantados e crucificados antes de podermos atrair as pessoas para o Senhor? A fim de que o Senhor Jesus dispensasse vida espiritual a outros, Ele teve de ser levantado na cruz. Da mesma maneira, se desejamos dispensar a vida espiritual a outros, também precisamos ser levantados na cruz. Somente então o Espírito Santo derramará Sua vida por meio de nós. A fonte da vida provém do dispensar da vida a outros por intermédio da cruz. Não deveria também o canal da vida provir do dispensar da vida a outros por meio da cruz?


Trecho retirado do livro "A Cruz" de Watchman Nee

 

 

Voltar

Rua Artur Machado 935, Boa Vista - Uberaba-MG